25 março 2008

Pobre "Pantro"


Não sei o motivo que fez ressurgir em minha memória a passagem do injustiçado “Pantro” nesse nosso mundo louco. Muito menos sei o que me levou a fazer dessa lembrança o meu primeiro post aqui no IN COMUM. Mas sinto a necessidade de retratar o desfecho do pobre “Pantro”, um animal que só justificou sua estadia na terra depois de morto... triste sina!

O mês era de março, um como esse (chuvoso e quente), “Pantro” já havia recebido a visita da nada bem-vinda morte há pouco mais de oito dias. Sua única companhia agora era da sua mais nova “amiga”, a decomposição! Seu corpo tinha sido abandonado pelo seu antigo dono em um desses muitos canaviais de nossa cidade. Após o ganho de alguns centímetros devido ao inchaço e a perda total dos pelos, nosso amigo em nada mais lembrava aquela imagem canina. Agora, somem essa cena a um transeunte que por um acaso passava nesse local? Pronto, nossa cidade acabou de ganhar um lobisomem!

Até então, o quase nunca visitado ambiente, ganhou status de cenário cinematográfico. Policiais cercando o local com toda uma postura e estrutura de FBI, a imprensa foi convocada, curiosos agitados, um verdadeiro circo armado! Nunca tantos olhos haviam se direcionado ao simpático “Pantro”, não havia pior hora.

A hilária história teve seu fim quando por um acaso, o antigo dono do cachorro, que costuma pescar nas redondezas do acontecido, percebeu a aglomeração e logo foi informado pelos curiosos de todo esse absurdo. Foi então que o constrangido senhor decidiu por esclarecer tudo... em meio aos “eu já sabia”, “lobisomem não existe”, “eu fui na casa do rapaz que sofre a mutação e ele estava lá...” e outros jargões, o “Pantro” voltava ao solitário anonimato! Coisas de minha cidade.

Pobre “Pantro”!

5 comentários:

Wenndell de A. Amaral disse...

Rs... Galera, e não é que aqui na minha cidade, União dos Palmares, também houve um caso desses? E também não faz muito tempo. A diferença é que, no lobisomem daqui, alguém deve ter assassinado o cão, pois o corpo do animal estava carbonizado e tinha muitas marcas de pancada em seu crânio e também de facadas. Deve ter sido alguém infeliz com a própria vida e deu fim a vida de um outro pobre animal, como o Pantro dess presente post. É cada coisa...

arcanjo de luz disse...

Ao primeiro post de um astro no anonimato, vivendo nessa cidade de pouca mem'ria e valorização, digo que não me suspreendo pelo pobre Pantro. Seu dono deve ter sido alguém desses que entre um gole e outro em algum bar com sinuca, andou com ele pelas ruas deixando criancinhas com medo da enorme boca de libisomem. Essa cidade concede alguns traumas de histórias fantasmagóricas, como aquela do tiro pro seu céu resultando em corpo de serpente. A histório do cachorro-lobisomem deu aalívio a muitas almass inocentes que corriam de medo quando viam Pantro passeando pela rua, babando toda a calçada e olhando ironicamente para cada participante das rodadas de academia e elástico. Sei que Pantro pagou o pato do dono isibido e ao mesmo tempo anônimo, alguém se recorda ao menos o nme dele? Ele não foi o lobisomem de verdade, porque essas histórias só conseguem ganhar vida, por alguns dias, nessa cidadezinha, mas eu sei que ele já olho pra mim na rua da casa da minha avó e eu senti que, se ele não continuasse no anonimato eu era quem ficaria famosa. "Menina de 7 anos é atacada por Pantru, o cachorro-lobisomem de uma cidade de mentiras!"
Ao autor.... Você escreve demais!!!! Continuo sendo sua fã...

Arcanjo

Anônimo disse...

Não eh de se estranhar q esse tipo de coisa aconteça nesta cidade.Mas confesso q foi muita maldade do dono para com o pobre do "pantro"...axo q ele antes de tudo era muito infeliz consigo mesmo, pois foi de muita crueldade matar o proprio animal.Não acredito muito nessa história de lobisomem, mais como nessa cidae acontece de um tudo, ñ estranharia se encontrace um.My present post.
Me aparece cada uma...rsrsrs..
sou sua fã... :*

Anônimo disse...

Confesso que também ñ ficaria nenhum pouco surpresa se uma dessas histórias hilárias apareça nesta cidade. Só Achei muita maldade o dono do Pobre “Pantro” ter o abandonado pelo fato da sua indiferença. Pra mim cachorro-lobisomem ñ existe, mas ñ me surpreenderia se visse um desses por aí...
Rsrsrsrs
Até mais! =)

thamyres disse...

É o ki um corpo de um animal em decomposicão é capaz de provocar !
pois é por um instante pantro foi o comentario de uma cidade onde as pessoas de td inventam p sair de suas vidinnhas sem graças ...de td fazem um extandarte .Porém foi a única oportunidade de um pobre animal de vida normal fik conhecido mesmo depois de estar morto "pantro".Não mim adimiraria nada encontrar mula sem cabeça e varias outraz coisas ..pois de nada duvido!
Mais não poderia deixar de elogia a o autor ...muito bom o texto
pois sou sua fã numero um ..