04 abril 2008

O Silêncio da Alma


No silêncio da alma, ouço os gritos da solidão
No sussurrar de palavras em silêncio, ouço a dor contida
No escuro do silêncio, vejo a luz entrar

Iluminado pela luz do silêncio, acerto meus passos errantes
que agora me conduzem devagar pelo despertar do silêncio
As lágrimas que escorrem em silêncio dos meus olhos
molham os meus lábios que ressecados se saciam

Em silêncio meus lábios balbuciam palavras não ditas
Minhas mãos trêmulas afagam meu rosto enrugado que deixa sair um sorriso silencioso

E em silêncio minha consciência descobre que é no silêncio que encontro a razão de viver...


Um comentário:

Rodrigo Carneiro disse...

belas palavras meu amigo!!